Flora Inglesa :: English Flora

Estes dias entre o Natal e o Ano Novo são óptimos para passar em revista o que se passou e fazer planos para o ano que se avizinha. Estou a vibrar com as flores que vejo à beira das estradas aqui na NZ e lembrei-me de ir ver os arranjos que fiz ao longo dos três anos que estivemos em Inglaterra. Ora ficam aqui algumas imagens da nossa lareira em diversas estações do ano.
These days between Christmas and the New Year are great for reviewing what has happened throughout the months and to make plans for the year ahead. I’m excited with the flowers I’m seeing on NZ road verges so I thought I’d revisit some of the arrangements I made over the three years we lived in England. Here are some pictures of our seasonal mantelpiece.
 

 

Maio 2010 :: May 2010

 

 

Maio 2010 :: May 2010
 
Junho 2010 :: June 2010
 
Setembro 2010 :: September 2010
 
Outubro 2010 :: October 2010
 
Dezembro 2010 :: December 2010
Janeiro 2011 :: January 2011
 
Março 2011 :: March 2011

 

Março 2011 :: March 2011
 
Abril 2011 :: April 2011
 
Janeiro 2012 :: January 2012
 
Abril 2012 :: April 2012

 

Junho 2012 :: June 2012
 
Setembro 2012 :: September 2012
 
Agora estou desejosa de começar a apanhar flores neozelandesas!
Now I can’t wait to start picking Kiwi flowers!
 
(photos: Tiago Cabral; Constança Cabral)

O meu Adeus a Inglaterra :: My Goodbye to England

Muito obrigada pelos comentários tão simpáticos ao post de ontem. Nem imaginam como fiquei emocionada ao perceber mais uma vez que há tantas pessoas que genuinamente se interessam por aquilo que vou partilhando neste blog. Já o disse várias vezes mas é bom repetir: muito obrigada por seguirem este blog, pelos vossos comentários, emails, ofertas, compras, enfim. Dou tanto de mim aqui que sabe bem sentir que há muita coisa boa desse lado.
Perguntam-me de que é que vou sentir saudades em Inglaterra. Acima de tudo, desta casa: da envolvência absolutamente idílica (apesar de algumas pessoas que nos visitaram terem dito que seriam incapazes de viver num sítio tão aberto e tão isolado, sem muros nem vizinhos), do silêncio, dos faisões, esquilos, falcões, cisnes, patos, gansos, lebres, coelhos, texugos e de toda a passarada miúda, do jardim com árvores, flores e ervas daninhas, daquilo que plantei e daquilo que simplesmente colhi, do interior tão agradável, espaçoso e bem dividido, dos (poucos) dias de sol em que almoçámos lá fora. Vou esquecer-me rapidamente do frio, da humidade, das janelas que vedam mal e que ficam com bolor e  musgo, da alcatifa, do preço do aquecimento…
E claro, Inglaterra tem coisas absolutamente extraordinárias — se as tentasse enumerar, teria de escrever vários parágrafos. Ficará para sempre gravada nos nossos corações e nas nossas memórias por todos os momentos bons que cá passámos, por todas as descobertas e por cá ter nascido o Rodrigo. 
Agora vamos para a Nova Zelândia, que seguramente também terá inúmeras coisas boas. Custa ir para tão longe do mundo que conhecemos, mas só se vive uma vez e há que aproveitar todas as oportunidades que a vida nos oferece!
Thank you so much for all your nice comments to yesterday’s post. You cannot imagine how much it touches me to realise once more that there are many people who genuinely care about what I share in this blog. I’ve said it before and I’ll say it again: thank you so much for following this blog, for your comments, emails, gifts, purchases… I give so much of myself here so it feels wonderful to see that there are many good things coming from your side too.

You’ve asked me what I’m going to miss the most about England. Above all, I’ll miss this house: its idyllic surroundings (although some people who have visited us have said that they’d be unable to live in such an open and isolated space, with no walls or neighbours), the silence, the pheasants, squirrels, buzzards, swans, ducks, geese, hares, rabbits, badgers and all the small birds, the garden full of trees and flowers and weeds, all those things I’ve simply picked and all that I’ve sown and planted myself, the pleasant interiors, so roomy and proportionate, the (few) sunny days when we had lunch outside. I will quickly forget all about the cold, the dampness, the mildew and moss on windows, the carpet, the price of heating…

And, naturally, England has got so many extraordinary things — I’d have to write several paragraphs just to begin to enumerate them. It will be engraved in our hearts and memories forever for all the good moments we have spent here, for all the discoveries and for the fact that Rodrigo was born here.

Now we’re heading off to New Zealand, which undoubtedly has got lots of wonderful things itself. It’s hard to go and live so far away from the world we know but hey, you only live once so you better make the most of all the opportunities life presents you with!

(photo: Tiago Cabral)

Spring :: Sunset

Inglaterra rural, início de Junho, 8h da noite. Céu cor de chumbo, luz dourada, vacas a pastar. Assim é o final da Primavera no sítio onde vivemos.
Rural England, early June, 8 pm. Leaden skies, golden light, grazing cows. This is what late Spring looks like where we live.

(photos: Tiago Cabral)

Lojas de Caridade :: Charity Shops

Falo muito em lojas de caridade e já várias pessoas me pediram para escrever sobre o assunto. As lojas de caridade que frequento aqui em Inglaterra são espaços comerciais geridos por uma instituição de caridade (há dúzias e dúzias de obras de caridade diferentes), que vendem produtos em segunda mão e onde trabalham voluntários. São lojas em ruas normais (não pensem que se localizam em becos escondidos), onde se encontra tudo desde roupa, sapatos, livros, loiças, brinquedos, tecidos… tudo a preços baratíssimos. Algumas lojas tambem vendem móveis e outras são especializadas num só produto (as minhas preferidas são as livrarias). Vivem de doações, usufruem de muitos benefícios fiscais e todo o lucro vai para a obra de caridade a que a loja pertence. A meu ver, são instituições extraordinárias porque todas as entidades envolvidas ganham com elas. O cidadão comum tem um sítio onde deixar aquilo que já não quer ou de que já não precisa, em vez de deitar tudo para o lixo; os clientes das lojas de caridade têm acesso a uma panóplia enorme de coisas, desde roupa da estação passada até loiça com mais de 50 anos, passando por livros, discos, etc.; as obras de caridade têm rendimentos alternativos às doações em dinheiro (mais informações aqui).
I keep mentioning charity shops and several people have asked me to write about them. The charity shops I frequent here in England are retail outlets run by parent charities (there are dozens and dozens of them) that sell second-hand goods and that are staffed by volunteers. Most of them are located in the high street and there you’ll find things like clothes, shoes, books, crockery, toys, fabrics… all sold very cheaply. Some shops also sell furniture and others are specialised in particular products (my favourite ones are charity bookshops). Almost all stock is donated, they get various tax concessions and the profit goes to the parent charity. As far as I’m concerned, they are quite extraordinary because everyone involved wins something. The average person has a place to leave their unwanted things instead of throwing them away; the customers have access to a myriad of things like last season’s clothes, 50-year-old crockery, books, music, etc.; charities have an alternative revenue stream to money donations (more information here).
Como é óbvio, estas lojas estão repletas de tralha. Mas, se uma pessoa for atenta e persistente, consegue lá descobrir muitos tesouros. Tudo depende da paciência e dos interesses de cada um. Eu, por exemplo, quando entro nestas lojas vou directa aos livros, depois espreito as loiças e a roupa de corpo e de casa (sempre em busca de tecidos bons). Por vezes é entrada por saída, mas em certas dias posso passar horas a folhear livros (sempre arrumados por temas). Tudo o que aparece na imagem aqui em cima veio de lojas de caridade, incluindo a mesa, e é uma boa amostra daquilo que me interessa. Há quem goste de comprar roupa, chávenas de chá, puzzles, chapéus…
Of course these shops are full of junk. But there are also treasures to be found, provided that you are attentive and persistent. It all depends of one’s patience and interests. Take me, for example: when I enter these shops I go straight to the bookshelves, then I take a look at the bric-à-brac section and I browse the clothes and household rails (always in search of good fabrics). Sometimes it only takes me two minutes but on certain days I can spend hours looking at books (always sorted out by themes). Everything in the picture above has come from charity shops, table included, and is a good sample of which things interest me. Some people enjoy buying clothes, teacups, puzzles, hats…
E como quero que tirem algum proveito destas minhas incursões, comprei um livro para sortear. O título é The Real Book of Making Dolls and Dolls’ Clothes e foi publicado em 1959. O sorteio estará aberto até domingo; para participar, basta deixar um comentário a este post.
And because I want you to benefit from my excursions, I bought this book to give away. The title is ‘The Real Book of Making Dolls and Dolls’ Clothes’ and it was published in 1959. To enter the giveaway just leave a comment below; I’ll draw a winner next Sunday.
(photos: Constança Cabral)

Winter –> Spring

Todos os dias há sinais de que a Primavera está a chegar: bolbos à venda em toda a parte, cordeiros brancos e brincalhões, em certos dias céu azul e claramente um cheiro diferente no ar. É bom escancarar as janelas de manhã e só anoitecer às seis da tarde. Tudo à minha volta está cheio de promessas e optimismo.
Everyday there are signs of Spring: bulbs for sale everywhere, white, playful lambs, blue skies on certain days and definitely a different smell in the air. It feels great to open the windows in the morning and to see that dusk comes much later at 6 pm. Everything around me is full of promises and optimism.

(photos: Tiago Cabral)

Flores Córnicas :: Cornish Flowers

A Cornualha é menos fria do que as Midlands e a Primavera já chegou aos jardins e à beira das estradas: para além de campainhas de Inverno (mais altas e viçosas), vimos camélias e muitos tipos de narcisos já em flor. Gostei imenso da maneira como os córnicos plantam bolbos em cima de muros – tudo fica com um ar natural e centenário.
Cornwall is not as cold as the Midlands and Spring could already be seen in gardens and road verges: in addition to snowdrops (taller and lusher), we saw camellias and many varieties of narcissi in bloom. I loved the way Cornish people plant their bulbs on top of walls and fences – everything looks more natural and established that way.

(photos: Tiago Cabral)

Cores Córnicas :: Cornish Colours

Vim da Cornualha profundamente impressionada com quatro cores: azul, verde, cinzento e branco. Vi variações de todas elas nas paredes, portas e janelas, nos campos, no céu e no mar. Adorámos a região – é uma Inglaterra completamente diferente daquela que conhecemos. E que bom foi voltar a ver o mar!
I came back from Cornwall deeply impressed with four colours: blue, green, grey and white. I saw variations of all of them on walls, doors and windows, in fields, in the sky and the sea. We loved the region – it’s such a different England from the one we know. And it felt great to be by the sea again!
(photos: Tiago Cabral)

Matéria Prima :: Raw Material

Todas as semanas vasculho as lojas de caridade em busca de tesouros esquecidos: livros, bric-à-brac, tecidos, roupa passível de ser transformada em sacos. De vez em quando tenho sorte e encontro um kilt de pura lã escocesa, um casaco feito com Harris Tweed… e fico contente por poder dar nova vida a materiais tão bons. Depois há que descoser, lavar, passar a ferro – e recriar.
Every week I browse all the local charity shops in search of forgotten treasures: books, bric-à-brac, fabrics, clothes that have the potential to be transformed into bags. Sometimes I get lucky and find a pure wool Scottish kilt, a Harris Tweed coat… and I feel glad that I can breathe new life into such high-quality materials. Then comes all the unpicking, washing, ironing – and recreating.
(enquanto tirava estas fotografias, um robin veio fazer-me companhia)
(while I was taking these pictures, a robin came and joined me)
(images: Constança Cabral)