A Mãe Galinha e os Três Patinhos :: Mother Hen and the three ducklings

duck eggs - Constanca Cabralpetting the chicken - Constanca Cabralfeeding the chicken - Constanca Cabralnewborn ducklings - Constanca Cabralnewborn ducklings - Constanca Cabralimg_3836keeping chickensimg_3883newborn ducklings

[scroll down for English]

Hoje vou contar-vos a história de uma galinha que veio passar uma temporada cá a casa e que chocou três ovos de pata.

Antes de mais, deixem-me contextualizar este relato. Nós vivemos numa pequena vila nos confins da Nova Zelândia, numa casa com jardim. O nosso jardim é inclinado, não é completamente vedado e faz fronteira com três outros jardins das casas vizinhas. A rua onde a nossa casa fica situada é bastante movimentada, com trânsito constante de carros e camiões. Gostamos imenso da nossa casa e tivemos a sorte de ter herdado um jardim já estabelecido, mas fica a milhas do idílio rural inglês da nossa vida anterior…

Tudo isto para dizer que não temos propriamente as condições perfeitas para criar animais. Mesmo assim, há já algum tempo que eu andava com vontade de ter uma galinha e, idealmente, pintainhos ou patinhos. Por sorte, temos uma amiga que cria galinhas e patos e que nos disse que, quando uma das suas galinhas ficasse choca, poderíamos ficar com ela durante uns tempos.

E assim foi: um dia recebemos uma galinha choca, de seu nome Sparrow, e três alvíssimos ovos fertilizados de uma pata Indian Runner. A senhora dona Sparrow, depois de um choque inicial (provocado pelo entusiasmo algo desregrado do membro mais novo da nossa família), lá se sentou em cima dos ovos e, passados 28 dias, nasceram três patinhos amarelos!

Uma galinha a chocar ovos de pata? Urbana que sou, não fazia ideia de que tal coisa fosse possível. A verdade é que as galinhas, quando ficam chocas, sentam-se em cima de quaisquer ovos que estejam no seu ninho. Tem graça que, uns dias depois de termos acolhido a dita Sparrow, li com o Rodrigo “The Tale of Jemima Puddleduck”, que é precisamente sobre isto! A Jemima revolta-se contra a dona da quinta e insiste em chocar os seus próprios ovos, em vez de deixar que sejam chocados por uma das galinhas da quinta em que vive. Bem, neste caso não houve nenhuma pata melindrada, porque a pata que pôs estes ovos não estava choca e, consequentemente, preferia andar a passear do que sentar-se dias a fio num ninho confinado.

Como podem imaginar, ter uma galinha no nosso jardim foi uma excitação! O Pedro queria dar-lhe festinhas constantemente (e recebeu várias bicadas como resposta) e o Rodrigo andava empenhadíssimo em tratar dela. Eu requisitei uma série de livros sobre galinhas e patos na biblioteca e gostei imenso de estudar um tema sobre o qual não sabia absolutamente nada.

Ao fim de 28 dias, nasceram três patinhos absolutamente perfeitos. Foi uma alegria, digo-vos! (Desconfio que fui eu quem vibrou mais com o acontecimento.) Os patinhos são muito activos e adoram água e, no segundo dia, já estavam a nadar no tabuleiro com água que pus na capoeira. O Rodrigo deu-lhes logo nomes: Sam (o nome da professora dele), Harper e Chilli. Ao fim de uns dias apercebeu-se de que não os conseguia distinguir e anunciou-me que, daí em diante, chamar-se-iam apenas Fuzzy Little Guys (rapaz pragmático). A galinha foi uma óptima mãe — aceitou-os imediatamente como seus e foi sempre extremamente protectora e vigilante.

Ficámos com eles durante cerca de um mês. Pensámos construir-lhes um pequeno recinto para terem mais espaço, mas o gato da casa vizinha observáva-os com um olhar guloso e, por precaução, decidimos mantê-los na capoeira (que, apesar de ser coberta, tinha também um pequeno espaço ao ar livre). Os patos crescem a um ritmo alucinante e, a certa altura, tivemos mesmo de devolvê-los à procedência.

Adorámos a experiência e o Rodrigo já me disse que, para a próxima, quer ter pintainhos. Mal posso esperar!

***

Today I’m going to tell you the story of the chicken who came to stay with us for a while, in order to sit on three duck eggs.

Let me start by providing a bit of context. We live in a small town in the depths of New Zealand, in a house with a garden. Our garden is on a slope, it isn’t fully fenced and it’s surrounded by the gardens of our three neighbours. Our street is quite busy, with constant traffic from cars and trucks. We love our house and we’re lucky enough to have inherited an established garden but it’s miles away from the English rural idyll of our previous life…

All this to say that we don’t really have the perfect conditions to keep animals. However, I’ve been wanting a chicken for ages and, ideally, either chicks or ducklings. Luckily we have a friend who keeps both hens and ducks and she promised us that, once one of her chickens turned broody, she’d lend it to us.

And so it went: one day we received a broody chicken called Sparrow, as well as three fertile Indian Runner duck eggs. Miss Sparrow, after getting over her initial shock (caused by the unruly enthusiasm of the youngest member of our family), sat on the eggs and after 28 days three yellow ducklings hatched!

A chicken sitting on duck eggs? As a recently converted urbanite, I had no idea such a thing was possible. The fact of the matter is that when chickens are broody, they’ll sit on whichever eggs are in her nest. It’s funny because a few days after we welcomed Sparrow, I was reading “The Tale of Jemima Puddleduck” to Rodrigo and the book is precisely about this! Jemima rebels against the farmer’s wife, who insists on having one of her hens sit on Jemima’s eggs. Well, in this case there wasn’t any distressed duck because the duck that laid these eggs wasn’t broody, and therefore was more interested in running around that sitting on a secluded nest for days on end.

Well, as you can imagine having a chicken in our garden was a huge success! Pedro wanted to pet her constantly (and consequently got a fair share of unfriendly pecks) and Rodrigo was very keen on tending to her. I borrowed a lot of books on keeping hens and ducks from the library and really enjoyed learning about a subject I knew nothing about.

After 28 days, three absolutely perfect ducklings hatched. What a joy! (I suspect I was the one who was most excited about this whole adventure.) Ducklings are very active and on their second day there were already happily swimming in a tray of water. Rodrigo promptly named them Sam (his beloved teacher’s name), Harper and Chilli. A few days later he realised he couldn’t tell them apart so he announced they were to be named simply Fuzzy Little Guys (pragmatic boy). The chicken was a great mother to the ducklings: she immediately accepted them as her own and was always very vigilant and protective towards them.

We kept them for about a month. We thought of building a small pen for them but the neighbours’ cat had his greedy eyes on them and so we decided to keep them inside the coop (which had netting over the run). Ducklings grow incredibly quickly and eventually we had to give them back to our friend.

We absolutely loved the experience and Rodrigo has told me that next time we wants chicks. I can hardly wait!

10 thoughts on “A Mãe Galinha e os Três Patinhos :: Mother Hen and the three ducklings

  1. Teresa Paiva says:

    Que experiência gira!! faz imensa ternura ver o ar derretido de todos 🙂 … lembro-me muito bem de ter um patinho assim quando era pequena. Foi o meu tio maus novo que mo comprou numa feira e mo trouxe dentro de um saquinho de papel, coitado! Depois, ele e a minha mãe pregaram uma rede numa caixa de madeira daquelas de vinho, antigas, e o Vasco (nome que lhe demos) foi crescendo. Eu brincava com ele todos os dias quando regressava da escola, era um delirio. Só que o pobre começou a crescer para a frente por não ter altura para crescer na caixa…e a minha mãe acabou por dá -lo a uma senhora, dizendo que ela tinha espaço e uma capoeira com outros amigos onde ele seria mais feliz. Ainda me lembro de como a detestei, nem sei quem era a senhora! Pior : passado uns dias a senhora regressou lá a casa e ouvi o meu avô a perguntar-lhe “Então, estava bom?!”. Eu nao tinha mais mais de 5 anos mas…Percebi tudo!…que raiva!!

    Like

  2. Sofia says:

    Eu adorei seguir a história dos Fuzzy little guys no instagram, mas ler esta história assim, tão bem contada, como só tu sabes fazer, fez o meu dia 🙂
    Beijinhos

    Like

  3. Maria says:

    Olá, Concha!

    Quando vi as notícias sobre os terramotos, lembrei-me logo de si!

    Está tudo bem convosco? No local onde vive, sentiram alguma coisa?

    Espero que esteja tudo bem por aí!

    Bjinhos e bom trabalho!

    Beijinhos

    Maria – Coimbra

    Like

  4. Lan Succi says:

    Que delícia de Post, e de história. Será que estou mesmo a vislumbrar um livro com deliciosas histórias de dois garotos que viviam num país distante de seus ancestrais e tinham ricas experiências com a natureza, os animais, os trabalhos com as mãos…..ah, não vou contar, você é que é a autora…quem sabe? Dou o maior apoio! Bjo nestes lindis e um grande parabéns pra você que tem está maravilhosa oportunidade e nós encanta com os posts. Deus os abençoe.
    Lan Succi

    Like

  5. tammyhappyis says:

    What a lovely story!

    It reminded me of a short (adult) novel that I read recently called “The Hen Who Dreamed She Could Fly” By Seonmi Hwang, a Korean author. The main character is Sprout a battery hen, who is desperate to keep her eggs and become a mother. It’s a beautiful story of motherhood, courage, freedom, justice. I really enjoyed it!

    Like

  6. Catarina says:

    Olá!
    Embora nem sempre comente aqui no blogue passo por aqui muitas vezes. E fifo sempre deliciada! As imagens são sempre tão bonitas, combinam sempre tão bem com as palavras que as acompanham.
    Este post está uma verdadeira delícia!
    Beijinhos e bom fim de semana.

    Like

  7. Naná says:

    Que história deliciosa!
    Fez-me voltar à infância, quando as galinhas do meu avô tinham pintainhos. mas também me lembra de desilusão que foi uma vez, um dos ovos não chocar um pintainho em condições.
    E eu cheguei a ter um pintainho de estimação. Era uma fêmea que depois cresceu e eu já não podia andar com ela ao colo para todo o lado… e que acabou na panela de certeza…

    Like

  8. Lucinha says:

    Oi Constança,

    Vim por indicação de uma amiga blogueira que é sua seguidora.
    Amei a linda história muito bem narrada por você. Maravilhosas fotos.
    Pelo seu relato, eu pude sentir como foi lindo esse momento na vida de vocês.
    Sou brasileira, e também moro na Nova Zelândia.
    Abraços

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s