A day in the life

[scroll down for English]

Tenho este post parado na pasta dos rascunhos há já umas semanas (acabei de reparar que já lhe fiz 25 revisões… ui!). Estas fotografias mostram um bom dia de Inverno passado, cá em casa, na companhia do Rodrigo. Mas não é, nem por sombras, um dia típico — normalmente ele está na escola e eu estou em casa a fazer aquilo que tem de ser feito para termos uma existência minimamente confortável, assim como algum trabalho criativo (que costumo priorizar em detrimento de uma casa arrumada ou de ler e responder a emails).

Nas versões anteriores que escrevi foram aparecendo alusões a assuntos mais pesados e sombrios. Ser mãe neste isolamento não tem sido fácil para mim — já aludi a isso uma ou outra vez — e já me aconteceu sentir-me algo defraudada em relação àquilo com que, de forma insconsciente, contava quando fiquei grávida pela primeira vez. Dou por mim a escrever sobre gestão de expectativas, depressão pós-parto, solidão… e depois acabo sempre por apagar tudo o que escrevi.

Talvez tenha a ver com a maneira como fui criada, ou com as minhas circunstâncias sociais e culturais, mas tenho uma enorme dificuldade em falar sobre estes assuntos num espaço tão público. É curioso, porque até me considero uma pessoa relativamente aberta — pelo menos até um certo ponto — e não teria tantos pruridos em discutir estes assuntos numa conversa de viva voz. É capaz de ser este formato de blog que complica as coisas — o facto de vocês só verem as palavras que escolho pôr por escrito, sem que sejam acompanhadas de expressões faciais ou linguagem corporal. Eu escrevo um post, vocês deixam um comentário (ou não)… mas não há aquele diálogo natural entre pessoas que se encontram face a face.

Onde é que eu quero chegar com isto? Bem… continuo a não conseguir saber lidar muito bem com aqueles posts em que conto apenas uma parte da história. Ao mostrar imagens fora de contexto, arrisco-me a ser superficial e não totalmente verdadeira. Sim, é óptimo focarmo-nos nas partes positivas das nossas vidas (e eu tenho a sorte de estar rodeada de amor e saúde), mas o facto de simplesmente apagar as partes difíceis não me parece que seja especialmente útil a quem leia este blog e esteja a passar por uma situação semelhante à minha.

Enfim, acho que vou ficar por aqui. Gosto de ter voltado ao blog, mas continuo um bocado à deriva em relação a conseguir encontrar o meu equilíbrio: aquele ponto ideal entre um blog que não é confessional, mas que também não é apenas um “show and tell”. Obrigada por me continuarem a acompanhar nesta viagem de descoberta e partilha.

I’ve had this post sitting on my drafts folder for a few weeks now (I’ve just counted 25 revisions… yikes!). This is what a good winter’s day with Rodrigo looks like when he’s at home with me. It’s the ideal day, so to speak. It’s not our everyday, thought — he’s usually at preschool and I’m at home doing housework and sometimes a bit of creative work too (which I always tend to prioritise in detriment of a tidy home and an inbox under control).

In previous versions of this post, deeper, darker subjects have crept up. I don’t find motherhood in isolation easy (I’ve hinted at it a couple of times in the past few years). Sometimes I feel that this isn’t what I signed up for — the isolation bit, not motherhood itself — and I write about managing expectations, coping with postnatal depression, isolation…. and then I delete it all.

It might have to do with my particular upbringing and my social and cultural circumstances, this whole difficulty in discussing certain matters in such a public space. It’s funny because I’m quite an open person — up to a point, I guess — and I’d have no problems discussing these issues with most of you in a conversation in real life. Perhaps it’s just this blogging format that doesn’t feel very conducive to this kind of conversation — the fact that you can only see my written words, without my facial expressions and body language going along with them. Or maybe it’s just the way blogging works:  I publish a post, you might leave a comment, but there’s no easy way of getting that natural back and forth that you get when you’re talking face to face with another person.

So  where am I getting at? I guess it’s just the fact that I struggle with telling you only one part of the story. Showing images and not providing a context can sometimes feel superficial and untrue. Yes, focussing on the positives is great (and I am so lucky to be surrounded with love and good health) but simply wiping out the difficult parts might not be particularly helpful to someone who might be reading this blog and going through a situation similar to my own.

Well, I guess that’s it for today. I’m glad I’ve resumed blogging but I’m still struggling to find my balance: that ideal place between a blog that’s not confessional but which also isn’t just a show and tell. Thank you for coming along with me in this journey of self-discovery and sharing.

 

 

 

33 thoughts on “A day in the life

  1. Inês Maria Pinto Basto Alegria says:

    Olá, Constança.
    Obrigada por este post. Penso que quem ler as suas palavras vai entender (se é que não tinha já feito).
    Também passo por fases (ou serão momentos) em que, se não estou atenta e os combato, volto para aquele “buraco” horrível que é uma depressão. E não vivo isolada na minha maternidade. Sendo assim, só posso agradecer -lhe por este blog e pelo seu Instagram.
    Tudo de bom para si e para os seus.
    Inês.

    Like

  2. Sofia Martins says:

    Constança, a única diferença entre ti e todos nós é que tu partilhas (e isso deve ser muito libertador). Acredita que todos sentimos um bocadinho de tudo o que falas. E não é nada de que nos devamos envergonhar ou apagar (editar pode ser!). É o que é. A melhor forma de não nos “afundarmos” é aceitar com um sorriso. Não é resignar! É só mesmo aceitar. Obrigada pela tua partilha. És Humana e só isso já faz de ti uma pessoa “super-fixe”!

    [É a primeira vez que “escrevo” num blog e não faço ideia se ficas com o meu contacto assim, mas gostava imenso de lanchar contigo quando viesses à Tugalândia!]

    Beijinhos
    Sofia

    Like

    • Constança Cabral says:

      Olá Sofia, obrigada por este comentário tão simpático. Tem graça, escrevi muitas vezes a palavra “aceitar” mas acabei por apagá-la sempre. Tens toda a razão: aceitar é o primeiro passo!

      Acho óptima ideia irmos lanchar um dia!

      Like

  3. Francisca Figueiredo says:

    Olá Constança! Percebo bem estas palavras e vivo o mesmo dilema. Vivemos em Seoul, uma cidade movimentada, de ritmo frenético mas onde é muito fácil sentirmo-nos isolados por causa da língua e das diferenças culturais. Somos felizes mas a partilha das nossas histórias no Instagram ou no Blog deixa-me por vezes a sentir que só conto/partilho a parte boa. Estamos todos a aprender a viver e conviver com estas plataformas! ^^ É bom lê-la e …Parabéns pelas fotos!

    Like

    • Constança Cabral says:

      Francisca, a vida em Seoul deve ser bastante mais desafiante do que o meu dia-a-dia aqui na NZ em termos de língua, diferenças culturais, expectativas… É verdade, ainda não há grandes regras nem linhas de conduta nestas plataformas virtuais, estamos todos a aprender. Um beijinho!

      Like

  4. Verónica says:

    Chapeau Constança. Yes. It is difficult to feel “whole”. In my case, I struggle simply with the fact that everything I post is partial. Even if people that know me in real life say they see me in my blog, I feel strange, not by hiding the bad (I count myself really fortunate) but I am not touching many parts of my everyday (my day job, my real life with my husband, my bad moods). Another issue is: why do I blog? If I would want it to be economically sustainable, I should solve this awkwardness… and that adds to the pressure.
    However, many people (and I admire them) find it easier to separate their “work”, their “brand” from themselves, and live with it, and that makes them more confident and contented when they develope a business of their own. Some weeks ago I found this paragraph in an interview to Deborah Marín, an inspiring Spanish entrepreneur, that was very enlightening, if you can understand some Spanish “Deb es una marca total y absolutamente. También por eso mismo no se llama Deborah Marín sino Oye Deb: quería verlo siempre como algo mío pero separado de mí, como un ser con entidad propia que soy yo y que navega conmigo,pero que no es lo único que soy. Es una pequeña parte de mí. Es la pequeña parte de mí que habla de ciertos temas y que enseña ciertas cosas y que lo hace de determinada manera y que gana dinero a cambio. No sé si es necesario para todo el mundo, pero para mí es importante poner el límite de esta forma entre mi empresa y yo, porque tengo tendencia a que el trabajo lo invada todo. Por otro lado, no creo que haya manera de escapar a que tu empresa, sea la que sea, sea una marca. Para mí, en el momento en que la sacas al público y la gente interactúa con ella y compran y hablan y consumen tu contenido y comparten tus imágenes en redes sociales y le dan like a tus fotos, lo que ven no es la empresa (eso sucede de puertas para adentro) sino la marca.” Thank you for bringing this up.

    Like

    • Constança Cabral says:

      Hola Verónica! I share your struggles and I’m intrigued and fascinated by the idea of separating the brand from the person. Thank you for sharing that quote by Deborah Marín. Unfortunately I made the exact opposite choice when I decided to give my name to my whole “personal brand” (blog included)… That makes it even trickier to separate “work life” from “life life”.

      Liked by 1 person

  5. me says:

    Também já tive um blog e percebo-a perfeitamente! Ao elegermos determinada informação que a nós nos apetece partilhar, pela beleza, graça ou felicidade que nos dá, poderá parecer que a vida são só rosas, mas não é!
    Continue, que nós percebemos! E escreva, seja sobre o que for – é libertador, acredite! A mim ajudou-me, na altura! 🙂
    Bjs

    Like

  6. Eduarda Maria says:

    Constança, mais uma vez, obrigada pela partilha genuina.Tenho uma coisa a dizer sobre este post: a tua exposiçao ao mundo é semelhante a outras exposiçoes que nao sejam virtuais, como um emprego, por exemplo. Digas o que disseres, faças o que fizeres, escolhas o que escolheres, haverá sempre, sempre, sempre quem ache que devias partilhar mais, outros acharão que devias partilhar menos, ou assim ou assado, ou frito ou cozido. Não tem mal, cada um de nós tem de viver consigo proprio e isso, no caso das pessoas permanentemente insatisfeitas, é castigo suficiente. Pedia-te que fizesses como entendesses, se nao te importas. Sem grandes revisoes aos posts 🙂 A vida nao permite muitos rascunhos 😉

    Like

    • Constança Cabral says:

      Muito obrigada pelas sábias palavras, Eduarda! É bem verdade… a exposição virtual é semelhante à exposição na vida “real”, mas tem algumas características muito próprias, como por exemplo o facto de os nossos leitores não verem as nossas expressões faciais, não ouvirem a nossa voz… Por isso é que gosto de ir filmando alguns pequenos vídeos. Obrigada pelos conselhos!

      Like

  7. clara says:

    Olá Constança,
    É sempre um prazer enorme ler as suas palavras,de forma alguma me parecem superficiais….adoro ler acerca dos seus meninos,dos seus trabalhos,da sua maravilhosa casa e decoração! Claro que todos sabemos que a vida tem coisas e momentos bons e maus,e nem todos temos o mesmo ‘á vontade’ para falar acerca disso é muito mais virtualmente,há coisas que só se consegue dizer bem cara a cara,em que apenas uma expressão nos serve de consolo,e isso através de um blog não se consegue! Talvez um dia o consiga fazer, mas até lá por favor não deixe de nos presentear com as suas palavras,imagens e aventuras diárias que tanto me inspiram e fazem sorrir;) Talvez um dia a conheça pessoalmente e lhe dê uma bela beijoka😁
    Beijinho grande para si e para os seus lindos rapazes😘

    Like

  8. Ana Rita says:

    Bom dia,
    Como a percebo!!!!
    Parabéns pelo blog: é uma partilha e a escolha da partilha fá-la da forma que acha que deve fazer e enquanto isso lhe der prazer também a si.
    Se estivesse perto teria um abraço amigo meu! Assim fica uma braço amigo virtual….

    Like

  9. Teresa Raquel Vazão Vieira says:

    Olá, Constança.
    As pessoas passam por fases… todos temos as nossas…
    Adoro os seus posts, adoro o seu blog, adoro a forma como escreve… traz-me serenidade…
    Adoro as suas idas às lojas de caridade, as suas decorações, as suas ideias, os seus trabalhos manuais, as fotos dos meninos… adoro tudo…
    Continue conforme ache conveniente para si…

    Aguardo mais posts fantásticos…

    Um abraço

    Like

  10. Patrícia Andrade says:

    Querida Constança, continue a partilhar, no registo que se sentir confortável. A vida tem fases e é natural que se sinta sozinha, num país estranho, sem família e com filhos pequeninos.
    Tudo passa e depois vai saber-lhe bem os registos desta altura da vida.
    Beijinhos

    Like

  11. Maria João Machado says:

    Todas as pessoas têm fases e em algumas delas sentimos-nos tão atolados que achamos difícil passar para outra, mas depois lá vamos… os blogues não carecem de equilíbrio, carecem de publicações, umas vezes luminosas outras vezes sombrias. Os blogues fazem parte da vida de quem os tem e a nossa vida não é equilibrada por mais que queiramos convencer-nos que sim. Obrigada pelas suas palavras e eu estou longe, tal como tantas leitoras e leitores, mas sinta-se à vontade para partilhar que estamos deste lado para a escutar, porque a entendemos e queira crer ou não, nisso, alguns de nós oram por si. Adorei o Rodrigo a trabalhar como um homem grande. Os meus filhos nunca interagiram dessa forma nas minhas atividades. Um beijinho grande.

    Like

  12. Priscila says:

    Olá!

    Acompanho seu blog há muito tempo (n sei precisar qto tempo) acho que vc ainda não tinha seu primeiro filho, e quando você faz posts eu acho muito legal porque a vida da gente muda demais quando se tem filhos, eu tenho um menino de 14 anos, e meninos são boas companhias! Rodrigo é um otimo ajudante!
    Gosto muito daqui do seu espaço!
    beijo grande da Pri

    Like

  13. Manù says:

    Olà, Constança, estou para enviar-te por e-mail a sugestao sobre uma possibilidade de arranjar tua Liberty London. Um abraço

    Like

  14. Manù says:

    Olà Constança, enviei-te um post ha mais de uma hora, mas parece que nao saiu… Eu queria avisar-te que te transmiti um e-mail sobre o possivel arranjo da Liberty London. Bjs Manù

    Like

  15. Larissa says:

    Eu estava grávida, e já morando longe da minha família quando você fez uma pausa no blog, eu naquela época “entendi” seus sentimentos. Hoje com meu filhote, vivendo a maternidade à distância (e talvez tenhamos que nos mudar para ainda mais longe) consigo partilhar deles. Minhas fotos também são lindas, e os momentos registrados (e vividos) são sim felizes, mas não completamente, ha sempre o sentimento de faltar alguma coisa. “Happiness is only real when shared”. As férias são contadas nos dedos e o momento da volta tão assustador, um sentimento de culpa constante de estar longe de todos, e ‘obrigando’ os filhos a também estar, amizades que talvez não sejam do seu “tipo”, mas que se formaram por estarem longe do ‘habitat’ natural. Ao mesmo tempo, oportunidades e vivências que de outra forma não existiriam tentam equilibrar a balança da confusão na nossa cabeça. Não tenho uma amiga na mesma situação com quem discutir abertamente com palavras sem censura todas as incertezas que vivemos nessa situação e fico com o coração feliz com o seu esforço em trazer essa intimidade para esse espaço onde me sinto tão bem. Já deixei de seguir muitos blogues que me passam o sentimento de “vida-de-mentira” e, ha anos aqui estou com frequência e carinho. Obrigada e força pra gente, Concha!

    Like

  16. Julia says:

    I am so glad to see you back! Although we are worlds apart in distance; age and circumstance, yours is one of the few blogs I read regularly since first discovering the wonderful world of crafting and sewing online. I saw ‘Constanca’ on ‘Tiny Happy’ (another one of the few I still read) this morning and thought “I wonder, this must be the same person?” and low and behold discovered you again. Your two boys, who have grown up so much since I last saw them,, are beautiful Best wishes from France.

    Like

  17. P says:

    I am so glad you are back to blogging – you have such a beautiful sense of aesthetics. I have a very different life and background than you but I love many of the same things you post about. How you strive for simplicity, believe in handmade and recycling and most of all do your best to surround yourself with beauty – especially the kind of beauty I admire. I have been following your blog since for years now – from when you were first living in Lisbon in your white house with your lovely mint and red accessories. I have never commented before. But I want you to know that your passion for finding beauty in the simple and everyday is really what keeps me coming back. It inspires me. Being a stay-at-home mom is a hard thing – I am one myself (my kids are now 6 and 4). I don’t know the details of your life except for what you share, but for me the early years of being a mother felt very similar to what you hint at. You know the funny thing – I live in a big busy city, only 30 mins away from my family and surrounded by people, yet I was never more depressed and isolated than in the first 2 years after my oldest was born. The pace of life is so fast and busy here that its hard for anyone to slow down for babies and children, unless you are forced to.
    Maybe thats why I am so drawn to your blog – you remind me to slow down, to appreciate the mundane, the everyday – and oh there is so much beauty (even if sometimes I can only appreciate it after the littles are in bed ;-)). So I appreciate your honesty. I love how you take a break when you need to and share only what you feel comfortable doing. This is your space. We are all just visiting. I think blogging is extra hard for an introvert (it would be for me). You only ever come across as authentic and beautiful. And you will find your balance. I think you already have.

    Like

  18. Frasco de Memórias says:

    Obrigada pelo post, Constança!
    Quando vi as fotografias (antes de ler o texto) fiquei a pensar que a Constança era uma super-mulher, pois os meus dias com a Beatriz são bem mais caóticos.
    Sinceramente, acho que estamos todos a ficar fartos de blogs de vidas, ou melhor, de fotografias perfeitas: as crianças são modelos de marcas de roupa de criança e as cozinhas são assépticas!
    Há momentos maravilhosos (muitos, felizmente!) e nós fotografamo-los mas há dias muito duros!
    Ainda bem que a Constança os referiu!
    Os blogs (e as pessoas) só têm interesse se forem autênticos e profundos, não é?
    Um abraço!
    Ana

    Like

  19. Adriana Milagres de Oliveira says:

    Olá Constança aqui no Brasil é dia do amigo então quero em primeiro lugar te desejar um feliz dia do amigo e te agradecer por compartilhar suas experiencias e dizer que muitas de nós passamos ou estamos passando por isso ,gosto do seu blog e vejo em vc uma pessoa sincera e verdadeira por isso não deixe de escrever e falar o que se passa pois as pessoas assim como eu gostam de vc e das coisas que vc escreve , fique com Deus e bjinhos para vc e os meninos, da sua amiga brasileira Adriana Milagres de Oliveira .

    Like

  20. ritaleitaocosta says:

    Olá Constança, já nos “conhecemos” há alguns anos. Sou uma leitora assídua do seu blog, e confesso que gosto de ver as suas fotos, assim como ler os seus posts. Acho que o seu blog é um dos mais verdadeiro que li até hoje.
    Como leitora, reconheço que é impossível escrever tudo num blog. Espero que não fique ofendida, mas acho que, relativamente ao seu blog, a Constança está a exigir muito de si e que devia ter em mente qual o objectivo principal quando iniciou o seu blog. Se estivesse a viver desse lado convidava-a para um chá…

    PS. Comecei a fazer pão em casa, sem máquina, à mão… Tem sido uma aventura…. Ainda não consegui preparar o pão perfeito 🙂 A Concha tem sugestões? Há algum livro para iniciantes que siga e que possa aconselhar? Vou regressar para Pt após alguns anos ( e muito bons) em UK… Vou sentir tanta falta deste país.

    Like

  21. Luísa says:

    Olá Constança,

    Percebo bem o que está a sentir.

    Já passei por uma situação semelhante e fui muito prática: uma pequena “ajuda médica” -(química, quero eu dizer), para me ajudar a ter ânimo e fazer mais coisas que gosto. Entretanto já abandonei o químico e continuo a investir em mim e nas coisas que gosto.

    No seu caso, arranjar um trabalho em part time que lhe permita estar um pouco menos isolada não ajudaria?

    Um abraço

    Luísa

    Like

  22. Sara Grilo says:

    Olá Constança!
    Adoro as suas fotografias, porque eu nunca me lembraria de captar todos esses momentos e depois deixa-me pena porque afinal as crianças crescem muito rápido, e passado alguns anos a minha memória já não é o que era e acabamos por esquecer esses “momentos” da nossa vida.
    Compreendo em parte os seus sentimentos, porque embora eu não viva a maternidade isoladamente como a Constança, tenho sentimentos por vezes contraditórios em relação às minhas filhas: quando estou no trabalho tenho muitas saudades delas, mas quando chego a casa com a pressa e despachar o jantar e tê-las deitadas a horas, acabo por não expressar o meu amor e passar o tempo a gritar e irritar-me com elas… No fim de semana acaba por também acontecer isso. E elas reagem claro, parece que fazem mais birras ou asneiras para chamar a atenção, ou exigem atenção… Enfim, é preciso lembrarmo-nos de que daqui a uns anos só vão querer sair com as amigas e nos vamos sentir abandonadas! E gerir da melhor forma que conseguir-mos.
    Em relação às expectativas que penso todas tínhamos do que seria a maternidade, as minhas eram completamente fantasiosas e irreais, e desapareceram ainda mais nos primeiros meses da minha segunda filha, com a privação do sono e gestão dos conflitos com a mais velha, enfim acho que deixei de ter esse tipo de expectativas porque só nos trazem sentimentos de culpa e frustação, que nos fazem tão mal e esses sim nos fazem piores mães…
    Obrigada pela partilha, não estamos cá para exigir nada de si!
    Sara

    Like

  23. Claire says:

    Hi Constanca

    I’ve just recently found you again on your new blog and you are one of the few blogs I still read. I love your honesty particularly about motherhood. There is a lot on the web and on Instagram particularly that portrays perfect lives with perfect children. I found being a mother the hardest thing I’ve ever done, particularly being at home with a baby for the first year. There are wonderful moments, there are dark moments and then there are just a lot of mundane moments and laundry to do.

    I love being a mum. It’s the hardest job I’ve ever had and I’ll ever have. I thought it would just come naturally and I would sit around being happy all day with my baby, but I need other things to be happy. I need to work part time and Use my brain. I need to exercise and look after my body and I need time to be creative. All of this together with being a mum is what makes me content, and Uma better mother when I’m content.

    Thank you for your honesty, and for portraying life as it really is and providing a real context for the beautiful images you share.

    Claire

    Like

    • Constança Cabral says:

      Hello Claire, thank you so much for your kind and thoughtful comment. I’ve got so many conflicting thoughts and feelings about this and I find it a difficult subject to discuss. I’m sure we’d have a lot to talk about if one day we met for coffee. Thank you for your support!

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s