Serviço Bom :: Wedding China

Agora que estou a preparar a casa para ser empacotada, pergunto-me se fará sentido, nos dias que correm, ter um “serviço bom”. O meu serviço bom é o Goa da Vista Alegre e foi-me sendo oferecido desde pequena: uma peça no Natal, outra nos anos. Antes de me casar, a minha mãe fez um apanhado do que eu tinha e comprou-me aquilo que faltava. Com 13 anos detestava-o; hoje em dia gosto imenso dele porque me lembra o legado português no Oriente (e vice-versa). Mas, em cinco anos de casada, quantas vezes tive oportunidade (ou vontade) de pô-lo a uso? No Natal? Na Páscoa? Numa ou outra ocasião especial?
Em conversa com um amigo que se casou recentemente, perguntei-lhe se iria incluir um serviço bom (para além de um serviço para todos os dias) na lista de casamento. “Claro” foi a resposta imediata. E eu pensei se faria sentido, hoje em dia, em casas pequenas e quase sem ajuda doméstica, comprar dois serviços de jantar. Não será melhor escolher apenas um serviço de qualidade, muito completo, em branco e com linhas intemporais, e depois decorar a mesa em função da ocasião? Uma toalha de linho bordada e copos de pé alto no Natal, uma toalha de uma cor forte e copos mais descontraídos em jantares com amigos, e por aí fora.

O que acham disto? Têm um serviço bom? Comprado ou herdado? Usam-no de facto? Têm sítio para o arrumar? Gostava de saber as vossas opiniões a este respeito!

As I’m getting our belongings ready for packing, I wonder whether it still makes sense to have a special dinnerware set nowadays — you know, a porcelain set reserved for special events. I realise this may be a very Portuguese (and a very bourgeois) subject but I thought I’d discuss it here anyway. My special china set is the Goa set by Vista Alegre and I got it over the years: one piece for Christmas, another one for my birthday. Before I got married my mother made a check list and bought me whatever was still missing. I used to hate it when I was 13; now I quite like it because it reminds me of the Portuguese legacy in the orient, and vice-versa. But in five years of marriage how many times have I put it to use? On Christmas day? Easter? On one or two special occasions?

Talking to a friend that just got married, I asked him if he was going to include a porcelain set “for best” in his wedding list (as well as another set for everyday use). “Naturally” was his immediate reaction. And I wondered whether it still makes sense — in this day and age of small flats and practically no domestic help — to buy two dinnerware sets. Wouldn’t it be best to choose just one good-quality set, preferably white and with very classic lines, and then accessorise the table according to the moment in question. An embroidered linen tablecloth and stem glassware for Christmas; a statement cloth (in a strong colour) and more relaxed glassware for a dinner amongst friends; and so forth. 

What do you think of this? Do you own a special dinnerware set? Did you buy it or did you inherit it? Do you actually use it? Have you got the space to store it? I’d love to hear your opinions on this subject. And just a quick note to all you non-Portuguese readers: while I was translating this post I kept thinking “everyone will find the whole thing ridiculous” but believe me when I tell you that normal people do own this kind of thing in Portugal. It’s a very traditional country and we still entertain our friends and family (and sometimes some special guests) at home.

(photo: Tiago Cabral)

98 thoughts on “Serviço Bom :: Wedding China

  1. MAMACO says:

    Olá Constança..
    Antes de mais sigo o blog saidos da concha mais ou menos desde 2008,e se não comento mais é por falta de tempo, porque sou mesmo fã! Obrigada pela partilha de ideias e dos seus pedaços de vida tão inspiradora!

    Em relação a esta questão sou do tipo que tem um serviço menos bom em uso e dois bons serviços guardados! A verdade é que nem uso os bons com receio que se danifiquem (foram comprados pela minha mãe em solteira por isso bem especiais)! MAs será que vale a pena não usar algo que nos pode dar tanto prazer e passar o tempo a usar elemntos que não nos deixem tão felizes? Não!!O dificil é mesmo tirar os bons serviços do aparador e pôr a uso!!Pelo menos no meu caso! Mas quero mudar esta atitute!

    Já agora espero que a Nova Zelândia seja uma boa nova aventura!!

    Like

  2. Concha says:

    Obrigada a todas, estou a adorar ler as vossas opiniões!

    SaraCS, nós temos o Suite Blue da Spal para todos os dias! É igual ao Suite mas o fundo é azul muito claro.

    Like

  3. Mandy says:

    I think that is pretty normal in England too, or was normal and is becoming less so perhaps. My parents have two sets – one for 'best' but I only have one – I made the conscious decision that I wanted to use my 'best' stuff so only have one set of china. You do have to accept that it won't last as long though!

    Like

  4. Kathrin says:

    I have two and I'm not married and not portuguese. I'm german and I don't think one of my friends have one set. I got one from my mother, before it was my greatgrandmothers, I think she got it at her marriage in the 20s and I always loved the disign, small coloured dots. The second one is from the late 50s and it was my grandmothers, she wanted to throw it away, she does these things, yes, I know. This is more classic with flowers and some gold. But to be honest I never used it, after my studies I went abroad and there I live in a nearly fully funished apartment. Most of my stuff is waiting in my parents house. But I would love to use it, not every day, but why shouldn't someone use special china for a dinner with friends or at weekends or a dinner for two, this is special, too.

    Like

  5. Raquel Úria says:

    Também tenho um serviço bom semelhante (Vista Alegre) para 24 pessoas completíssimo que ocupa um armário inteiro. Casei há 9 anos, já mudei de casa 5 vezes e nunca usei aquele serviço, nem sequer em ocasiões especiais tive vontade de o fazer. Gosto dele mas é tão pouco prático que já me coloquei essa mesma questão várias vezes. Fará sentido?

    Like

  6. martinha martins says:

    A minha avó ofereceu a cada uma das netas um serviço da vista alegre, um com a risca verde, outro azul, e outro em terra cota, como era a mais nova fiquei para o fim e calhou-me o terra cota… hoje em dia as minhas irmãs preferiam o meu… azar 🙂 de qualquer modo não são muitas as vezes que serve, mas é sempre um serviço!!

    Like

  7. Joana says:

    Eu uso o serviço Couve em branco da Bordallo Pinheiro como loiça do dia-a-dia, comprei um branco com rebordo em platina para as ocasiões especias, que não devia ir à máquina mas vai, e herdei um da Fábrica de Sacavém que era da minha avó que uso em jantares de família. Mas o que eu gostava mesmo de ter era um da Vista Alegre que vi em tempos numa feira de antiguidades na FIL. Tinha uma decoração linda com borboletas e passarinhos e apesar de muito antigo estava completo. Nem sequer era muito caro, mas não o comprei precisamente pela questão da arrumação. Arrependo-me até hoje! Faqueiro tenho o da Cutipol igualzinho ao teu e uso frequentemente, principalmente os talheres de peixe que são os únicos que tenho e não dispenso nem para comer atum enlatado 🙂 O serviço de copos bom é o dos piquinhos da Marinha Grande também em vermelho e azul, como alguém aqui já escreveu, e esse fazia parte do enxoval. Também gosto muito de copos antigos de vidro soprado, coloridos, e compro-os por vezes em feiras de velharias. Esses não me importo que sejam diferentes, dão um ar mais descontraído à mesa, mas os pratos gosto que sejam todos iguais. Se acho que vale a pena ter um serviço bom, acho, mas lá que não facilita nas mudanças, isso não 🙂

    Like

  8. Anonymous says:

    o meu “serviço bom” é exactamente igual ao teu. Já estou casada à 7 anos e penso que o usei 2 ou 3 vezes, sempre no Natal. Acho que é pelo medo de partir alguma peça, ou simplesmente porque me esqueço dele. Enfim, está guardado à espera que alguém se lembre… beijos Ana

    Like

  9. Carla Martins says:

    Como adoro louça sou muito suspeita, tenho um serviço “bom”, clássico, mas muito simples que uso em ocasiões especiais, que pode ser apenas um jantar com amigos ou um jantar romântico!!!

    Like

  10. Montseta says:

    This probably makes sense to me because I'm spanish and the same thing happens, when you marry in the wedding present list you normally include a good quality dinner service altough you use a normal one day by day…
    Nevertheless, as I'm not married and I live in a small house I just bought a prettymedium quality for everyday, although now I regret now buying a white more classic one (mine is red). Have a safe trip to New Zealand!

    Like

  11. Meninas de bâton* says:

    Olá Concha.
    Quando casei, ofereceram me de prenda de casamento, da Vista Alegre, o serviço de café Vila Verde e o de chá ( um modelo já antigo, descontinuado) o Leiria.
    Antes de casar, sinceramente, não ligava muito a loiça, serviços de jantar, etc…no entanto, tenho um colega de trabalho que é coleccionador de peças da Vista Alegre e pegou-me o bichinho, pelo que decidi que já que tinha o serviço de chá e café (apesar se modelos diferentes) para completar a coleçao só me faltava o serviço de jantar.
    Comecei a ver vários modelos da Vista Alegre e achei os bastantes caros…o meu preferido era o ornament e o Chitas de Alcobaça, mas, definitivamente não estavam dentro do meu orçamento. um dia destes, ao passar num grande armazém, vi que tinham um serviço de jantar igual ao serviço de chá que me ofereceram no casamento, o Leiria….como é um serviço descontinuado, estava em promoção e a minha mãe acabou por me oferecer esse serviço ( por metade do preço dos serviços atuais).

    Quanto ao uso, sinceramente, ainda não usei nenhum….moro num apartamento pequeno ( um T1) e nao tenho espaço para guardar os serviços, pelo que ainda estão dentro da caixa, em casa dos meus pais…

    A minha esperança é mudar de casa ( quem sabe, comprar……) e trazer os serviços para lhe dar uso..

    Boa sorte para amova vida, do outro lado do mundo…efectivamente só se vive uma vez e a que aproveitar as aportunidades…tudo de bom Concha.

    Like

  12. Billy says:

    Que giro: em casa dos meus pais também há este serviço, mas em azul. Eu adoro-o e é usado sempre que há um jantar com visitas (sejam formais ou informais).

    Eu não tenho serviço bom. Quero dizer: tenho, na arrecadação dos meus pais, mas aqui na “emigração” não tenho. Tenho um de todos os dias e outro branco e simples, para quando o cozinhado é especial.

    Assim que voltar a Portugal quero pôr o meu serviço lindo a uso, porque gosto de usar TUDO. 🙂

    Beijinhos.

    Like

  13. caoaoao says:

    Eu gosto muito de loiça e para mim um serviço bom faz todo o sentido.O meu é da Porce Oeste e foi oferecido pelos meus pais.Em quase 10 anos de casamento já o utilizei muitas vezes, é para isso que ele serve.Ainda está completo e vai à máquina de lavar sem problema.No dia em que se partir uma peça, paciência, antes isso que outra coisa pior.:)
    O serviço bom faz parte dos momentos felizes que temos em família e terei imenso gosto, um dia,em o passar para os meus filhos.Ainda não tive a sorte de receber nenhum de herança, mas iria adorar.

    Like

  14. Madeleine says:

    In the United States, it's also common to have good dishes (or china) and everyday dishes. Then there are the sets that one tends to inherit as the years go by. I also have a few antique serving pieces that remained from my great-grandmothers Limoges china and my husband's grandmother's Bavarian china. They are beautiful and saved for Thanksgiving and Christmas. Take your dishes and use them. You'll be glad you did!

    Like

  15. Rattling On says:

    I'm British…I have a Wedgwood set put together over several years and completed for wedding presents. I also have loads of everyday crockery (lots of Burleigh for mixing and matching, and plain white).
    I think your set is lovely, certainly use it for special occasions but why not at weekends as well?

    Like

  16. Lynn says:

    Hello Concha
    I have a lovely crockery set my Mother in law gave me when she moved to a smaller house and also her silver cutlery set. I love using it at Christmas and also at other holiday times. I also have everyday crockery -white round and white square and also some pretty 1950's floral china.
    I think when you are busy having a good set of china takes some of the work out of holiday catering for people – you know what looks well with that china – you have several table plans in mind.
    All the good china is stored on open shelving in my dining room. Also I can set the table a few days ahead and cover it, knowing I have an every day set.
    Lynn.

    Like

  17. thelittlecreatures says:

    É um dilema! Eu tenho o Organic da Vista Alegre em branco. É moderno, elegante e tem a vantagem de ficar bem com tudo. E depois tenho um serviço de chá lindo também da Vista Alegre que foi parte do enxoval de casamento da minha avó.
    E a realidade é que ambos estão encaixotados numa arrecadação porque desde que começei a mudar de casa (e de país)com alguma frequência passei a ser bem mais prática e a pensar em termos de básicos: objectos simples, acessíveis e funcionais mas que no final de dia não me deixem o “coração partido” por não os poder transportar comigo.

    Like

  18. As Cores do Arco-Íris says:

    Pois, eu para não fugir à regra também tenho um 'serviço bom', também ele da Vista Alegre (um clássico) coleção LUSO PLATINA, que por ser simples, singelo é também de uma grande versatelidade, pois não prende com nada e combina com qualquer decoração. Adquiri-o antes do meu casamento com a preciosa ajuda da minha Mãe e já o coloquei algumas vezes a uso. Para o dia a dia tenho um serviço da BONVIDA 100% Português e também monocromático, estes são sempre mais versáteis permitindo depois conjugar uma boa toalha colorida e flores ao ton.

    Like

  19. anocaslarocas says:

    Eu também tenho um serviço bom da Vista Alegre. O Paris. Mas também já me questionei várias vezes se se justifica gastar tanto dinheiro num serviço, que nem à máquina pode ir e que usamos meia dúzia de vezes.
    Cada vez mais acho que não, mas agora que o tenho, fica de “herança” para as minhas filhas…
    Para ser sincera, desde que vim morar para Inglaterra (desde Dezembro 2010) que ele ainda está encaixotado e acho mesmo que só vai sair no Natal…

    Like

  20. Nani says:

    Tenho 4 filhos e vou fazer 20 anos de casada. Tenho um serviço bom. 'Cozinha Velha' da VA. Poder servir no Natal, Páscoa, ou uma ocasião especial… Seja! Está guardado num aparador e considero-o uma relíquia que – se aguentar – passo-a aos meus filhos. Agora, queres saber quantos serviços 'não bons' já tive? Quantos pratos ser partiram, lascaram, etc no uso diário, nas pressas a pôr na máquina, etc?! De quando em quando preciso de reciclar e aí recorro a soluções baratas, mas não menos bonitas. Gosto de ter uma mesa apresentável mesmo no dia a dia…
    Portanto, no meu caso, faz sentido ter um serviço bom. Até porque tem havido situações de casa cheia em que junto os dois serviços. Não me parece haver uma regra para se ter ou não. Talvez daqui a uns anos as coisas façam outro sentido. Por exemplo, quando o teu filhote começar a partir pratos! ;))

    Like

  21. Ana Maria says:

    Olá Constança!
    Que post tão interessante. Claro que devemos ter SEMPRE um “serviço bom”! Eu tenho o “Viena” da Vista Alegre. De preferência que tenha sido adquirido aos poucos…ELE traz-nos imensas recordações e relembra-nos alguns “valores” cada vez mais esquecidos nos tempos actuais…
    Que a arrumação , a falta de espaço, a falta de tempo, o não se usa… não sejam “desculpas” para o “banir” das nossas vidas!
    Tenho 44 anos (embora julgue que ainda estou com vinte e tais…) sou casada à 19 anos ( como o tempo voa…) e tenho uma filha com 16…que por acaso no jantar do seu aniversário (passado setembro) o “serviço bom” lá saiu do louceiro para a mesa perante uma audiência de 15, 16 e 17 anos que ADORAM este serviço e dizem-me sempre umas palavras carinhosas…não sabe como sabe bem ouvir isto desta geração “Ikea” e “Area”(não tenho nada contra!) 🙂
    Dou uso às “coisas boas” do enxoval que comecei a fazer às 10 anos (como eu na altura detestava!) aos serviços, às toalhas de rendas feitas pelas avós, lençóis bordados…
    Acho que nem TUDO na vida deve ser simplificado, nem se deve ser demasiadamente prática. Já pensou na boa “companhia” que o seu “serviço bom” lhe proporciona ao estar tão longe da família? Eu também estou longe e são estas coisas “boas coisa” que me fazem sentir tão PERTO!
    Ana Maria

    Like

  22. Nicola says:

    I'm from the UK and I think it is still fairly common to have a special crockery set… at least up until my parents' generation – they were married in the late 1970s and received a dinner service as a wedding gift, used regularly and now sadly quite depleted. My brother was married this year and also requested chinaware as a gift. I have just inherited a fancy china set from my grandmother and am really proud to have it. Currently I am taking to ebay to find a few pieces to replace some past breakages (who knows me and my brother probably caused those breakages 25 years ago when we were little!)

    Like

  23. rosa ramos says:

    Eu tenho meio serviço bom, herdado em peças mais ou menos soltas. Uso-o sempre que posso, porque se estivesse à espera de jantares formais…nunca o usaria. Vivo só com a minha filha de 5 anos, numa casa mínima, mas uso-o sempre que tenho amigos, da “casa” ou de visita. Se tivesse uma casa maior, claro que gostaria de ter um serviço bom…mas acho que lhe daria o mesmo uso, ou seja, frequente! 🙂

    Like

  24. Patricia Alexandra says:

    Olá Constança
    Antes demais boa sorte para a mudança 😉
    Eu desde sempre lembro-me de ter enxoval, a unica coisa que consegui que não me comprassem foi o serviço, argumentando que depois poderia não gostar…, quando comprei a minha casa comprei um serviço em branco, pratos quadrados e grandes, que uso tanto para o dia a dia como para épocas festivas, dando um toque mais requintado com os copos, toalha, etc. Na altura os meus pais deram-me um valor para comprar o dito serviço mas não o fiz e continuo a alegar que não tenho espaço para o colocar, mas o certo é que acho um desperdicio. Estou muito satisfeita assim! Bjs e tudo de bom para vocês.

    Like

  25. Begoña says:

    Dear Constança, yes I do have another special china set for special events, and I must say that I never use it. It was my mother´s idea when I got married , but I must say that I don´t know if it has much sense since I don´t use it. For special ocasions I also have a try, some salad bowls, a recipent for soup, and also a coffee set. For everyday I have a very normal set brought in a supermarket.And of couerse my mother in Christmas uses her China set of more than 40 years old!!
    Un beso
    Begoña

    Like

  26. Teresa Lucas says:

    Também tenho um serviço bom 🙂 A minha mãe fez questão de comprar um serviço completo para sei lá quantas pessoas, e com imensos acessórios (alguns dos quais nem sei para que servem!).
    Só o uso em jantares especiais… e pensando bem, só quando se junta grande parte da família, porque com amigos usamos o serviço “semi-bom” e acaba por ser mais descontraído!
    A juntar ao serviço bom, temos o “faqueiro bom”, mas esse já usamos mais vezes por ser de linhas modernas! Já para não falar nos copos…
    Está tudo bem arrumadinho no aparador! Que serve mesmo só para arrumar tudo disto!!!

    Like

  27. Maria João says:

    Tenho um “serviço bom”, claro. Até parecia mal, casar e não levar dois serviços: um bom e um para o dia a dia. Confesso que o do dia a dia já foi substituido mais do que uma vez e o bom lá continua. Foi usado nos natais que se passavam e em minha casa e com as alterações nos locais de festa, ao longo dos anos, deixou de ser usado. Lá está. Guardado no seu aparador, muito sossegado, com os pratos de numero interminável em filas e agora que falamos nisso e penso nele, acho que vou por a uso os pratos de sobremesa. Neste momento o meu serviço do dia a dia, varia entre um todo branco, de pratos enormes e um com pratos lisos de várias cores e faltam-me uns pratos de sobremesa decentes, que nenhum dos dois serviços a uso, tem. Como o “serviço bom” é branco apenas com um enfeite no rebordo em suaves tons de verde e rosa (muito mimoso) vai cair bem com qualquer dos outros dois. Está decidido! Obrigada pelo post! Bjks

    Like

  28. Andreia says:

    Um serviço bom é sempre uma excelente escolha, mas quando se muda de país a perspectiva começa a ser outra…
    Eu mudei completamente a minha opinião sobre bens desde que me mudei para Inglaterra e comecei a ser mais pratica. Empacotar casas não é fácil, por isso concordo absolutamente com o simples de qualidade que se adapta ao dia a dia e ao festivo, focando mais na decoração da mesa numa ocasião especial.

    Like

  29. Anonymous says:

    Tenho 3 serviços: um para todo dia, que já é bem estiloso e bonito. Comprei nos EUA. Um segundo todo branco, de pratos enormes comprado na IKEA e um de porcelana oriental fabuloso (para 15 pessoas) herdado dos meus sogros. Luciana.

    Like

  30. feeblefingers says:

    I have a rather depleted dinner service from my patenal grandmother that i love but cant replace any of the missing pieces. I also have a coffee set and a tea service that were given to me by my other grandmother. I wasn't that keen on them at the time but i love them now. I love the face that they hve been so well cared for and used on special family occasions. I remember my grandmother's pleasure at Christmas when she got out her good china. An American friend lived in the UK for two years and bought an entire Spode Christmas dinner service to ship back to the states. I think she bought it from the factory shop in staffordshire and all the pieces were seconds so a bit cheaper…..

    Like

  31. Anonymous says:

    Like bashtree, I am also from the Southeastern US, and registering for “china,” as well as everyday dishes, is just what everyone does here when they get married. Is it practical? No. I think it's still sticking around due to tradition (and heaven knows the South is all about tradition), and it makes one feel like the hostess of the home. I considered not registering for china, but as it turns out all the older ladies who like to come to wedding showers prefer to give china pieces. The ladies throwing my shower insisted that I register, so it wasn't as if I had much choice. I ended up registering for Christmas china (Johnson Brothers British Castles Christmas), as I already had my own everyday dinnerware in addition to a vintage '50s Homer Laughlin pattern I had been collecting. So now I have 3 sets of dinnerware. I know it is not practical (I had to buy a china cabinet to store these dishes I use only once year), but I consider them part of my decor now and I do love having pretty things. I would not want to part with them. I tell myself when we have children they will remember eating on these dishes for special occasions just as I remember eating on my mom's special china for every holiday. The thing that bothers me most about the whole “registering for china” thing is that people will give China pieces rather than more practical items one needs to run the home, such as irons, vacuum cleaners, cooking utencils, etc.

    Like

  32. Bruna says:

    Oi Constança! Eu tenho dois aparelhos de jantar que recebi de presente no meu casamento e mais outras peças que fui comprando ao longo destes 7 anos.
    Amo louças, mas o espaço para organizá-las é restrito (e no fim das contas, as usamos tão pouco!)
    Se estivesse casando agora, certamente pensaria em manter apenas um aparelho de jantar branco, clássico e deixaria para fazer as demais combinações de acordo com a ocasião.
    Abraço

    Like

  33. Ana O Dias says:

    Cara Constança,

    É de facto uma questão muito pertinente, se nos dias de hoje (e com a praticalidade que estes exigem) fará sentido a compra de um bom serviço. Contudo, o meu lado mais tradicional e celebratório não me deixa concordar com esta premissa completamente… adoro um bom serviço, especialmente se for antigo e, de preferência se for herdado, tal como a minha mãe herdou da avó e que eu espero também herdar um dia. Costumamos usá-lo apenas na ceia de Natal e esse caracter “ritualistico” que lhe foi dado torna-o ainda mais especial. Portanto, acho que concordo que devemos ter um serviço mais utilitário e versátil, mas se existir a possibilidade, adquirir (caso não se herde) um bom serviço pode ser o início de uma bonita relação com estes objectos que, na realidade, podem ajudar a tornar uma ocasião ainda mais especial.

    Ana D.
    http://aprivatealchemy.blogspot.pt/

    Like

  34. Filipe Gouveia de Freitas says:

    Constança,
    Antes de mais um primeiro olá. A blogosfera tem desta coisas e vim aqui parar por indicação duma amiga. Estou a gostar imenso deste seu espaço. Quanto aos “serviços bons” creio que são duas as questões: fará sentido comprá-los hoje em dia enquanto jovem casal ou pessoa a morar sozinha; o que fazer, nos dias de hoje, com um “serviço bom” herdado? Acho que para a primeira questão aquilo que a Constança recomenda pode ter mais sentido nos dias que correm e é certamente mais prático. Contudo, eu confesso-me mais tradicionalista- não me passaria pela cabeça montar casa e não ter um “serviço bom”. Mas não me choca nada quem não tenha. Quanto aos serviços herdados ou “construídos ao longo dos anos” (como o seu Goa) ocupam um lugar especial no meu coração. Na casa dos meus avós, no Funchal, temos o Óbidos da Vista Alegre que está com a minha avó desde 1945 e foi presente de casamento. Está várias vezes a uso porque sempre que alguém vai ao Funchal passar uns dias a refeição de chegada e de partida é feita com este serviço. Está também a uso em dias de aniversário ou outras festas familiares, Natal, Páscoa e afins.Os meus bisavós também têm um (também foi presente de casamento) cujo nome ignoro, mas que está connosco desde 1910. Somos imensos primos, mas eu adoraria ficar nem que fosse com um prato. Porque essa é a questão principal dos serviços herdados- a ligação sentimental e geracional que eles encerram, as muitas e tantas refeições em família e amigos que neles se fizeram. Quando montar casa, prometo dizer-lhe qual escolhi.

    Like

  35. coldcomfortcrafts says:

    I think it is telling that most of your comments are from fellow Portuguese readers! I don't think you would get this among young British people today. I certainly don't have double sets. I am of the 'good quality, white' camp, and accessorise with special bowls, silver serving spoons, tablecloths, etc. I also like a mismatched, eclectic look.

    Having said that, I would dearly love some Crown Devon Stockholm (leaping reindeer, popularised in the UK largely by Nigella Lawson)for Christmas time. But there are so many other things to spend money on first! (Roofs, for instance… yawn!)

    Best of luck with your move, Concha- I shall miss your British slant but hope you find happiness in NZ.

    Like

  36. Sarah says:

    I have an inherited china set – I don't think the notion of fine china is at all a Portuguese-only thing. It's quite common in Canada for a nice set to either be inherited as a wedding gift, or asked for at that time (and it's usually made up by family members buying bits here and there as well). Your set has seen more use than mine, though! We've not got the proper storage for me to risk taking them out of their heavy-duty bins… the pattern is completely the opposite of what I would have chosen for myself (it's quite gaudy when paired with the natural look of my house) but I love it because it is exactly what my grandmother loved. It's massive – a FULL set plus an extra set for tea-things and for condiments (no one was supposed to need to ask for salt to be passed, so there are three salt and pepper shakers, two full-sized teapots, 16 teacups, three gravy pitchers…) but I would never, ever give it away even moving to another continent. It was my grandmother's prized possession and she wanted me to have it as a wedding gift, so I'm maybe a little skewed on the opinion of whether or not to hang on to fine china… 😀

    Like

  37. Pipita de Chocolate says:

    Quando comecei a trabalhar comecei também a fazer o meu próprio enxoval e inclui um bom serviço. Não me arrependo nada da escolha! É o Arabesco da Vista Alegre, totalmente branco e apenas com um rebordo beje acinzentado muitíssimo claro, quase branco sujo com uns caracolinhos estilo arabesco. Já fiz imensas decorações com ele: com prateado, com dourado, com vemelho escuro, com rosa clarinho, com beje, tudo branco…e resulta sempre! E tenho-o usado. A regra é, se comemos na mesa da sala, é com o serviço da sala! Como tenho uma cozinha grande, guardo-o todo num dos armários.

    Beijinhos

    Like

  38. Inês says:

    Olá
    Eu tenho um serviço com da Vista Alegre, herdado da minha avó. Adoro-o, mas está em casa dos meus pais. Não pode ir à máquina, tem imensas peças, não é prático. Uso o do dia a dia SPAL branquinho e as peças grandes, travessas e afins é como “componho” a mesa. Ponho peças Bordalo Pinheiro e Raul da Bernarda. Gosto de cor! E claro uma toalha de linho bordada ou de croché.

    Like

  39. Amiximaki says:

    Eu tenho um serviço bom da SPAL que coloquei na lista de casamento e me foi oferecido pelos familiares, amigos e completado por nós. Quando olho para ele vejo mesmo isso, algo dado pelos amigos, a ser usado com eles. Tenho outros pratos que vou usando no dia à dia, mas normalmente no dia à dia uso o serviço bom. É conforme me apetece. Nas refeições festivas ou para alguma ocasião aposto nos apontamentos, numa toalha melhor, numa apresentação mais cuidada, num arranjo de flores e numa ementa especial. Mas por norma sou contra “as coisas boas”, as “roupas de Domingo”, as mantas e capas para proteger as coisas. E não, não sou consumista e nem ando sempre a renovar tudo. Sou altamente “recicladora” e gosto de coisas antigas. Apenas acredito que temos que viver a vida em pleno e não deixar para amanhã o que se pode fazer hoje, tanto nas responsabilidades como nos prazeres (infelizmente, nem sempre se consegue…)

    http://amiximaki.blogspot.pt/2012/10/comentario-um-post-da-concha.html

    Like

  40. Reflexos says:

    Eu adoro as peças da VA, mas não tenho nenhum serviço dito bom. Tenho um, das Vista Alegre, mas de uma linha menos requintada que uso no dia a dia e nas ocasiões mais especiais. Uma toalha e uns apontamentos diferentes, podem fazer a diferença e… poupar dinheiro e espaço… para as milhentas chávenas de café que tenho da VA, e não só, que sim dessas faço colecção… e uso-as… é muito engraçado, cada um estar a tomar café numa chávena diferente… as coisas são para serem usadas até À exaustão… só assim as desfrutamos.

    Beijo grande

    Like

  41. Anonymous says:

    Ola!
    Bem, o posto ja é antigo, nao sei se alguem vai ler, mas o assunto é actual de qq forma…
    Tenho-me perguntado muitas vezes essa questao: ter 2 serviços?ou mais?e brancos ou coloridos? ou um de cada? bons, semi.bons, ou baratos? Confesso que tenho alguma ideia que o mais barato sai sempre mais caro (veja-se os pratos de uso diario q tenho do IKEA q, mt giros, mas pesados, e nem 1 nao passou ja estao 2 esbouçelados…, e na verdade, 2,5 EUR a cada um nao é assim tao barato especialmente se tiver que comprar todos os anos…). Eu tenho uma paixao assolapada pelo Serviço Sagres da VA. Acho o lindo, simples, mas com aquele toque diferente, parece um classico renovado. Fui fazendo ao longo do tempo o serviço completo mas de hipermercado.. de 2ª escolha… Alguem opta pelos de 2ª escolha? Faz assim tanta diferença, a mim parecem-me iguais mas de facto nao sei…. ok, a diferença: ja bebi chá num serviço Sagres que devia ser mais antigo e achei-o mais “fino”, mais leve, as bordas mais finas, e isso fez toda a diferença para o chá saber melhor 🙂
    E outra coisa: alguem ainda commpra aqueles extras todos do serviço: a terrina de sopa, as travessas de varios tamanhhos, o bule, o açucareiro, saladeira etc? È que comprar esses extras “à parte”, de inox, por ex, ou algo que combine com todos os serviços que tenhamos, pode poupar espaço e ser mais racional (só temos “um conjunto que combinará com todos os nossos pratos), ou seja, assim, para fazer serviços novos, era so ter pratos novos (e chavenas eventualmente)…
    Alguem tem o Sagres de 2ª escolha? Ou sempre de 1ª escolha? Satisfeitos?
    E alguem nao comprou os “extras” dos seus serviços?
    Já agora – alguem aposta nos serviços azul e branco como classicos para toda a vida? Eu tanho um grande fraquinho por esses tb 🙂 (o Lazuli é lindo de morrer… o Viana tb acho imensa piada).
    Tenho uma lista de aniversario na VA do serviço Broadway White (tb acho mt giro), mas mm de loja-loja (1ª escolha). Mas ainda nao coloquei lá os “extras” e nao sei se o farei… Também estou indecisa, dado o seu ar mais casual, se ponha esse a uso diário, mas de facto foi mais caro…
    Ainda para terminar (tantas questoes desculpem!!!), sempre tive curiosidade em saber qual eram os serviços da VA que tinham mais saída, os mais populares/vendidos, pois isso é uma segurança de que nunca serao descontinuados e poderemos sempre repor as peças ao longo do tempo… Tenho ideia de ser o SAgres e o Cozinha Velha.. alguem sabe? Qual o vosso?

    Like

  42. Marta Brito Martins says:

    Boa noite!
    Eu sou como uma sua leitora aí a meio da página… louca (obcecada) pela VA.
    Passo a vida nos leilões à procura de antiguidades e peças antigas. Tenho uma tia, que também é madrinha, que tem aí uns 7 ou 8 serviços de jantar, uns 5 da VA…
    Por isso não vos surpreenderá que tenha…. 4 serviços de jantar!
    O que me foi feito desde que nasci foi escolha da minha mãe e como outras leitoras, de início não gostava dele, só amava o da minha madrinha, o Fontainebleau. Hoje é ao contrário – amo o Douro e já não acho muita graça ao que não é meu…
    Depois temos a história incrível do sépia, que comprei no eBay quando vivia em Londres. Tinha pertencido a um banco Português e esta senhora vendia 12 + 6 “place settings”. Só tive ££ para comprar 12. Trazia 6 chávenas de café e 4 de chá, com 1 travessa apenas.
    Um dia, descia eu a R. de S. Bento e entrei numa das lojas. Lá, estava à minha espera um conjunto de chá e de café, com 2 açucareiros e 2 leiteiras, bule e cafeteira, com 6 chávenas de café e 10 de chá….que completaram as 12 de cada!
    Depois disso consegui comprar uma tarteira no eBay EUA e ainda espero que me apareça mais uma ou 2 travessas, um dia destes…
    Depois tenho um serviço da EMA, barra azul escura grossa com filete a ouro, oferecido pelo meu pai aos bocadinhos, com os selos de compras do JUMBO e 6 place settings do sagres, que a minha mãe tem completo.
    E há uns meses apaixonei-me por uns pratos de um serviço da SPAL, chamado KYOTO, a €2 e fui comprando…. sendo que era o serviço de uma revista, não há quase peças nenhumas a não ser uma terrina que consegui encontrar no outlet (as senhoras são muito simpáticas) e uma travessa que apareceu agora…
    E não me parece que vá ficar por aqui!

    Quanto à questão maior, AMO, ADORO uma linda mesa – com os nossos cristais da Atlantis (tenho o fantasy e o lyric), porcelanas da VA, talheres da Topázio e toalhas lindas de Viana, Castelo Branco, Açores, Madeira, Norte, etc, etc, etc.
    Não há nada que substitua o requinte de uma bela mesa e de uma bela refeição.
    Inspiraçãon total!!!!

    Like

  43. Marta Brito Martins says:

    Boa noite!
    Eu sou como uma sua leitora aí a meio da página… louca (obcecada) pela VA.
    Passo a vida nos leilões à procura de antiguidades e peças antigas. Tenho uma tia, que também é madrinha, que tem aí uns 7 ou 8 serviços de jantar, uns 5 da VA…
    Por isso não vos surpreenderá que tenha…. 4 serviços de jantar!
    O que me foi feito desde que nasci foi escolha da minha mãe e como outras leitoras, de início não gostava dele, só amava o da minha madrinha, o Fontainebleau. Hoje é ao contrário – amo o Douro e já não acho muita graça ao que não é meu…
    Depois temos a história incrível do sépia, que comprei no eBay quando vivia em Londres. Tinha pertencido a um banco Português e esta senhora vendia 12 + 6 “place settings”. Só tive ££ para comprar 12. Trazia 6 chávenas de café e 4 de chá, com 1 travessa apenas.
    Um dia, descia eu a R. de S. Bento e entrei numa das lojas. Lá, estava à minha espera um conjunto de chá e de café, com 2 açucareiros e 2 leiteiras, bule e cafeteira, com 6 chávenas de café e 10 de chá….que completaram as 12 de cada!
    Depois disso consegui comprar uma tarteira no eBay EUA e ainda espero que me apareça mais uma ou 2 travessas, um dia destes…
    Depois tenho um serviço da EMA, barra azul escura grossa com filete a ouro, oferecido pelo meu pai aos bocadinhos, com os selos de compras do JUMBO e 6 place settings do sagres, que a minha mãe tem completo.
    E há uns meses apaixonei-me por uns pratos de um serviço da SPAL, chamado KYOTO, a €2 e fui comprando…. sendo que era o serviço de uma revista, não há quase peças nenhumas a não ser uma terrina que consegui encontrar no outlet (as senhoras são muito simpáticas) e uma travessa que apareceu agora…
    E não me parece que vá ficar por aqui!

    Quanto à questão maior, AMO, ADORO uma linda mesa – com os nossos cristais da Atlantis (tenho o fantasy e o lyric), porcelanas da VA, talheres da Topázio e toalhas lindas de Viana, Castelo Branco, Açores, Madeira, Norte, etc, etc, etc.
    Não há nada que substitua o requinte de uma bela mesa e de uma bela refeição.
    Inspiraçãon total!!!!

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s